HISTÓRIA

Confira abaixo a História do município de Terra Roxa:

No início do ano de 1918, a Companhia Agrícola Pastoril do Banharão, composta de diversos sócios e que foi constituída para o desbravamento desta região, após completar o seu trabalho, foi dissolvida. As terras foram divididas e entregues aos componentes da extinta companhia. A parte que passou a pertencer aos Senhores Prudente Rosa Corrêa e Dr. Mário Rollin Telles, co-proprietário e gerente da Fazenda Santa Carolina, loteou uma área de terras, próxima a sede da referida fazenda, para fundação de uma vila, em 1918.

Em setembro de 1918, a antiga Companhia Ferroviária São Paulo - Goiás inaugurou um trecho de bitola estreita, entre Viradouro e a nova vila, com trens de passageiros e mistos, dando a estação local o nome de Terra Roxa, nome este originário da cor da terra, que é roxa. Esse nome estendeu-se a vila. Ficou, assim a nova povoação ligada a capital do Estado, por estrada de ferro. Em 10 de janeiro de 1927, esse trecho de estrada de ferro foi transferido para a Companhia Paulista de Estradas de Ferro, passando a ser um ramal entre Ibitiúva e Terra Roxa.

No mesmo ano de 1918, foram construídos os primeiros prédios comerciais e residenciais, sendo o Armazém Floresta a primeira casa comercial instalada na vila. Logo depois, novos estabelecimentos comerciais surgiram: a Casa Minto e a Farmácia do Senhor José Dincau. Tal foi o desenvolvimento que, em 20 de setembro de 1920, foi instalada a Agência Postal do Correio e Telégrafos. Em 26 de dezembro de 1925, pela Lei nº 2.099, foi criado o distrito de paz de Terra Roxa, incorporado ao município de Viradouro. Nos debates havidos na Câmara Estadual de São Paulo, para a criação do distrito, o mesmo deveria denominar-se IBIACY, mas prevaleceu o nome de TERRA ROXA, nome dado, em 1918, a estação ferroviária. Com a criação do distrito de paz, foi instalado, em 31 de março de 1926, o Cartório de Paz e o Registro Civil. Para primeiro Juiz de Paz, foi nomeado o Senhor Adelino Ramos da Silva.

Em 30 de janeiro de 1926, foi criado o Distrito Policial de Terra Roxa, ficando como subdelegado o Senhor João Esteves Diogo, que desde 1924, ocupava este cargo. Com a divisão das terras pertencentes à extinta Companhia Agrícola Pastoril do Banharão, formaram-se as primeiras propriedades agrícolas, denominadas: Fazenda Santa Carolina - de Prudente Rosa Corrêa e Dr. Mário Rollin Telles; Fazenda Floresta - do Coronel Joaquim Prudente Corrêa; Fazenda Amoras (atual itaporan) - do Coronel Walter da Silva Porto; Fazenda Califórnia - de Camilo Queiroz de Morais; Fazenda Santa Alice - do Dr Fabio Uchoa e a do Bairro Esperança - de Sebastião Ferreira de Camargo. Nessas propriedades agrícolas iniciou-se o plantio de café que, devido a uberdade do solo, tornou-se a principal fonte de riqueza de Terra Roxa. Em 24 de dezembro de 1948, na divisão territorial administrativo-judiciária do Estado, pela Lei nº 233, o distrito de Terra Roxa foi elevado a município, graças aos trabalhos desenvolvidos pelos Senhores Dr. Oswaldo.

Prudente Corrêa e Fábio Uchoa Ralston, que contam com a boa vontade e o prestígio do municipalista Dr. Antonio Sylvio da Cunha Bueno, então Deputado Estadual. A instalação do município de Terra Roxa deu-se no dia 26 de março de 1949. O município de Terra Roxa com território desmembrado de Viradouro, foi criado com sede na vila do mesmo nome, pertencente a Comarca de Pitangueiras, desde 1925 (98.a Zona Eleitoral). Terra Roxa tem como excelsa padroeira Nossa Senhora Aparecida.

A paróquia foi reorganizada em primeiro de janeiro de 1933 e teve como primeiro Vigário o reverendíssimo Padre Antônio Martins. Em substituição ao Posto Policial de Terra Roxa, foi criado em 1951 e instalado em 1952, com um delegado e um escrivão de polícia de uma Delegacia de Polícia de 5º classe, pertencente a segunda divisão policial, região de Barretos. Em 7/12/1952, contava o município com 1298 eleitores inscritos. Sua Câmara Municipal composta de 11 Vereadores. A denominação local dos habitantes é terra-roxense.